Imprimir

Movimento Capivari Solidário

 

O Movimento Capivari Solidário é uma associação civil constituída em 25 de outubro de 1992, em Capivari.

Uma das suas finalidades é promover a cultura, objetivando o bem comum e especialmente:

  • contribuir para facilitar, a todos, os meios para o livre acesso às fontes de cultura e o pleno exercício dos direitos culturais;
      
  • apoiar, valorizar e difundir o conjunto de manifestações culturais e seus criadores; e
      
  • preservar os bens materiais e imateriais do patrimônio cultural e histórico de Capivari e do Brasil.

 

HISTÓRIA

O Movimento Capivari Solidário surgiu da conversa informal entre quatro pessoas, dr. Waldemar Thomazine, Mário Costa Novo, José Roberto Guedes de Oliveira e Luciano Pellegrini, no início de 1992. O professor e jornalista Edgard Andrade testemunhou esse grande acontecimento.

Após muita conversa, pequenas reuniões, finalmente no dia 25 de outubro de 1992, no Salão da ASAS, foi fundada uma associação civil, sem fins lucrativos, apartidária, com o objetivo de resgatar e tornar permanente os valores do povo capivariano; promover a cultura, objetivando o bem comum; colaborar com os órgãos públicos do município, do estado e da nação, no estudo e solução dos problemas que se relacionem ao bem-estar dos cidadãos no pleno exercício dos seus direitos e interesses; bem como a preservação do patrimônio cultural e histórico.

A primeira diretoria foi eleita para o biênio 1992/1994, composta pelos senhores:

Presidentes Honorários – Francisco Maschietto, Miguel Simão Neto e Romeu Annicchino.

Diretoria Executiva – Presidente: Waldemar Thomazine; Vice-Presidente: Glaucy Quagliato; 1ª Secretária: Maria Amélia D’Arcádia; 2ª Secretário: Florival de Andrade; 1º Tesoureiro: Walmor Val; 2º Tesoureiro Luciano Pellegrini Neto; Diretora de Comunicação: Maria Augusta Bastos de Mattos.

Comissão de Estatuto e Regimento – Altino Lorena Machado; Edgard Andrade; José Roberto Guedes de Oliveira; Leonir Capóssoli e Mário Costa Novo.

Comissão de Apoio – Luci Waldmann; Maria Luiza Guitti Thomazine; Maria Paula Ferraz Penteado; Maria Rita Ferraz Penteado; Marisa Cancian; Miltes Thomazine Maschietto e Silvia Lente de Andrade.

Conselho Fiscal – Antonio Paulo Stênico; Arlindo Batagin; Ênio Rossi; João Duarte Jr.; José Carlos Capóssoli Colnaghi; Marino Dal Fabbro; Norberto Raimundo de Góes e Tarcísio Colnaghi.

Após a aclamação e posse da Diretoria, a Assembleia decidiu que, além da diretoria, todas as pessoas que compareceram às reuniões preparatórias e que constam do “Livro de Presença” são membros fundadores do Movimento Capivari Solidário: Afonso Panza; Ana Maria Rodrigues de Oliveira; Antonio José Bom; Antonio Sanches; Carlos Pellegrini de Camargo; Dirceu Bueno de Oliveira, Dirceu Ortolani Stein; Domingos Cancian; Iolanda Annicchino Pimenta Neves; João Salvador D’Avilla; Lucy Conforti Assad; Marco Antonio Nogueira dos Santos; Maria Aparecida Capóssoli; Maria Aparecida Striugli; Maria Fernanda Rodrigues de Oliveira; Mary Odete Pellegrini Jacovelli; Paulo Leite; Radamés Assad; Regina Fracetto; Romilda Capóssoli e Zilda Striugli.

Ao longo destes vinte anos resgatou e prestou homenagens anuais ao poeta Rodrigues de Abreu, à pintora Tarsila do Amaral, aos escritores Amadeu Amaral e Léo Vaz. Publicou e lançou os livros A ronda das ruas e Léo Vaz: o cético e sorridente caipira de Capivari, de autoria própria, e outros de escritores que escreveram sobre Capivari, entre eles Eduardo Maluf, Jehovah Braz do Amaral, José Roberto Guedes de Oliveira.

Realizou concursos de trovas envolvendo escolas públicas e particulares; dossiê sobre a naturalidade capivariana de Tarsila do Amaral, de autoria de Mário Costa Novo; campanha de cadastramento para a doação da medula óssea, em parceria com os jovens da Ordem DeMolay; campanha da ficha limpa; conferência com o ex-ministro José Gregori sobre os “Direitos Humanos”; estudo dos problemas do trânsito, na Câmara Municipal; sugestão da ponte ligando com a Estação, através da rua João Vaz; plano de arborização; plano de rotatória na Estação, Santa Casa e Juventus; discussões sobre a Lei do Silêncio e a Lei da Poluição Sonora; propositura no currículo das escolas municipais de aulas sobre a História de Capivari em todas as séries.

Executou ainda parcerias com os clubes de serviço Lions e Rotary; comemoração do centenário de nascimento da Madre Valéria, com a presença das irmãs da Ordem da Providência e da sobrinha Irmã Francesca Lorenzet, que é Superiora da sua Ordem na Itália; comemoração do Momento Brasil-Itália, com a presença do vice-cônsul da Itália dr. Álvaro Roberto Cotomaci e da vice-consulesa de San Marino Regina Célia D’Avila Cotomaci; criação e outorga do Prêmio Abaporu, destinado a pessoas físicas ou jurídicas que tenham prestado relevantes serviços nas áreas da assistência social, cultura, educação e promoção humana, dentro ou fora dos limites do município.

A historiadora e integrande do grupo Luci Waldmann comenta: “Não percebemos o passar dos anos. Crescemos, adquirimos credibilidade, nossos passos foram guiados pelo tripé “cidadania, integração e cooperação.

Somos um pequeno grupo de pessoas que tem como ícones o dr. Waldemar Tomazine, dona Alcinda dos Santos Proença e dona Virgínia Bastos de Mattos, que aos 97 anos continua engajada nas questões da sociedade. E nós, acima de tudo, trabalhamos muito porque amamos Capivari!”

 

REGISTROS

  • CNPJ: 67.153.809/0001-24
  • Utilidade Pública Federal: portaria do MJ nº 160/2003, de 21 de fevereiro de 2003
  • Utilidade Pública Municipal: lei nº 2.151/1993, de 30 de junho de 1993

 

MAIS INFORMAÇÕES

  • Rua Sinharinha Frota, 714 - Centro  

 

 

ARTIGO RELACIONADO

 

 

EMPRESAS COM
RESPONSABILIDADE SOCIAL
linha_sep_sfdum-dumemecarrara